Nunca faças um Terceiro Pilar 3a em Seguro de Vida!

Como português recém-chegado à Suíça, enfrentei a realidade de não estar totalmente a par de como as coisas funcionam por aqui, o que me levou a confiar em informações nem sempre corretas, neste caso no terceiro pilar ligado a seguro de vida. Um dos obstáculos comuns que muitos de nós enfrentamos envolve os intermediários de seguros. É comum eles proporem produtos que parecem vantajosos mas que, na verdade, nem sempre são necessários, tudo por causa das comissões que querem ganhar.

Decidi escrever este artigo precisamente por causa dessa experiência. Não estás sozinho nisto; eu próprio fui induzido ao erro por um intermediário de seguros cujo principal interesse era a comissão que podia obter, não o meu bem-estar financeiro. Acabei por perder dinheiro, mas essa experiência ensinou-me uma valiosa lição. Hoje, tenho uma abordagem mais informada e cautelosa aos meus investimentos e seguros, e quero partilhar contigo essa aprendizagem para que possas evitar cair nas mesmas armadilhas.

Antes de mais o que é o terceiro pilar

Primeiro, vamos entender o que é o terceiro pilar na Suíça. O sistema previdenciário suíço está estruturado em três pilares. O primeiro é a AVS (Assurance Vieillesse et Survivants), que corresponde à nossa base de reforma. O segundo pilar é o LPP (Previdência Profissional), uma contribuição feita tanto por ti quanto pelo teu empregador. Por fim, existe o terceiro pilar, uma opção não obrigatória de poupança que oferece vantagens fiscais, permitindo-te depositar uma quantia anualmente.

Quando falamos do terceiro pilar, temos duas escolhas principais. A primeira, e a que eu aconselho, é a solução padronizada através de um banco ou uma plataforma independente, como o VIAC ou Frankly. A outra opção, que não recomendo de todo, é associá-lo a um seguro de vida. Muitas pessoas acabam por escolher esta opção, frequentemente influenciadas pelos conselhos de intermediários de seguros que estão mais interessados nas comissões do que em oferecer a melhor solução para o cliente. E é exatamente isso que pretendo esclarecer neste artigo.

Custos elevados

A principal razão pela qual desaconselho o terceiro pilar associado a seguros de vida são os altos custos envolvidos. Para simplificar: ao escolher esta opção, estás efetivamente a comprar um seguro de vida, que obviamente não é gratuito. Isso significa que uma parte significativa do teu investimento no terceiro pilar é canalizada para cobrir os custos deste seguro.

Em casos de eventos graves, como morte ou invalidez, ter um seguro de vida associado pode parecer benéfico, pois promete um pagamento aos teus herdeiros. Contudo, vale salientar que entre 10% e 25% do que contribuis é direcionado para cobrir tais riscos, diminuindo assim os fundos que estás a juntar para a tua reforma.

Vou dar-te um exemplo pessoal: em 2018, aderi a um terceiro pilar ligado a um seguro de vida, seguindo o conselho do meu "maravilhoso" intermediário de seguros. Olhando para o contrato de base, fica claro que não foi uma boa escolha. Infelizmente, alguns intermediários conseguem vender este tipo de produto através de falsas promessas, e eu acabei sendo um dos que caíu nesse erro. Sem dúvida, foi um dos maiores erros financeiros que já cometi.

A minha apólice

Subrescrevi um terceiro pilar 3a, com um pagamento anual de 6768 CHF. De acordo com o contrato, quando chegar a minha reforma, o capital garantido seria de 209 424 CHF.

Ou seja, fazendo as contas, durante 38 anos, iria pagar 6768 CHF por ano, o que dá um total de 257 184 CHF. O meu capital garantido seria 47 760 CHF abaixo do total que eu teria investido. Portanto, o custo do seguro de vida, assumindo que nada de grave acontecesse, seria de 47.760 CHF – uma quantia significativa, não achas?

Mas agora, o intermediário diria: mas sabes o teu dinheiro é investido e vais ter muito mais do que o capital garantido na reforma.

Os fracos rendimento dos terceiros pilares ligados a seguro de vida

Esta é mais uma das conversas frequentemente apresentadas pelos intermediários que, na realidade, não se concretiza. Costumam prometer que o teu investimento vai gerar grandes lucros. No entanto, a questão complica-se quando o teu dinheiro é investido em fundos que implicam taxas de manutenção altas e custos de acesso significativos. Estes encargos acabam por minimizar os retornos esperados, levando a uma diminuição efetiva do teu capital ao longo do tempo.

Um artigo que apareceu no "Bon à Savoir" - revista muito interessante - mostra isso mesmo e vou deixar aqui uma passagem traduzida diretamente do artigo:

Pensava-se que já se tinha atingido o fundo, mas estávamos enganados. Em 2018, o rendimento negativo tornou-se a norma em todas as apólices de seguros de vida mistos do nosso painel! Com juros anualizados que variam entre -1,2% e -3,9%, as decepções podem ser significativas. Na Allianz, que oferece as menores garantias de rendimento (-3,9%), pode-se acabar com um capital de 80.830 CHF dos 120.000 CHF investidos, o que representa uma perda de quase 40.000 CHF!

Neste cenário, é claro que estes produtos são desastrosos para aqueles que esperam poupar para a reforma. Se o rendimento é mau, é porque as companhias retiram uma parte importante das primas pagas – até 25% – para cobrir o risco de morte, incapacidade de trabalho e despesas administrativas.

O problema é que as seguradoras não apresentam a situação desta forma. Elas fazem de tudo para atrair clientes, baseando-se em previsões significativamente mais otimistas. Como os segurados têm direito a uma participação nos lucros, as projeções são embelezadas pelos excedentes potenciais. No entanto, estes resultados raramente são alcançados. É por isso que os interessados devem confiar no capital garantido para não serem desagradavelmente surpreendidos.

A próxima vez que um intermediário de seguros vier com a conversa dos rendimentos espetaculares do teu terceiro pilar ligado a seguro de vida, podes sempre mostrar este artigo.

Flexibilidade do terceiro pilar ligado a seguro de vida na Suíça

O terceiro pilar associado a um seguro de vida apresenta uma rigidez considerável em termos de contribuições. Isso significa que te comprometes a depositar uma quantia específica regularmente, conforme o acordo estabelecido. Diferentemente de um terceiro pilar gerido por uma instituição bancária, onde existe maior flexibilidade, no seguro de vida estás vinculado a essa contribuição constante. Portanto, mesmo em anos em que possas enfrentar dificuldades financeiras, és obrigado a cumprir com o montante acordado, sem margem para ajustes conforme a tua situação econômica.

Essa falta de flexibilidade pode ser bastante restritiva, pois não permite adaptar as contribuições às flutuações da tua capacidade financeira. Se em algum momento desejares reduzir o valor da tua contribuição no terceiro pilar vinculado ao seguro, poderás enfrentar penalidades ou perdas financeiras significativas. Isso ocorre porque as estruturas de custos e as penalidades por alterações nos contratos de seguro de vida são geralmente rigorosas, resultando em perdas adicionais durante o processo de ajuste das contribuições.

Em contrapartida, optar por um terceiro pilar através de uma entidade bancária geralmente oferece a vantagem de poder ajustar os teus depósitos anuais de acordo com as tuas circunstâncias financeiras atuais, proporcionando uma gestão mais flexível e personalizada do teu investimento para a reforma.

O teu objetivo é voltar a Portugal rapidamente? Vais perder dinheiro

Se estás a planear ficar na Suíça apenas por um curto período, deixa-me dizer-te: optar por um terceiro pilar associado a um seguro de vida não é, de forma alguma, a melhor escolha. Nesta situação, acabas por suportar o custo do risco nos primeiros anos, e se decidires resgatar o teu terceiro pilar mais cedo, o valor que vais receber será bastante reduzido. Basicamente, é como se estivesses a deitar dinheiro fora. E não te esqueças, durante todo este tempo, estarás também a alimentar as comissões do intermediário que te aconselhou lal. Eles geralmente recomendam manter o investimento por vários anos para que valha a pena, mas a verdade é que o intermediário beneficia de uma comissão completa apenas se não terminares o contrato prematuramente.

Será que precisas mesmo do seguro de vida?

Um argumento comum dos intermediários é a vantagem de ter um seguro de vida ligado ao terceiro pilar. Sim, é verdade que existe o seguro, mas é crucial questionar a real necessidade desse seguro de vida. Muitas vezes, esta escolha é apresentada mesmo quando não existem dependentes, como filhos ou cônjuge, tornando-se, assim, uma opção redundante. Além disso, se o teu plano é permanecer na Suíça apenas por um breve período, realmente compensa ter esse seguro de vida? É necessário ponderar se o custo associado justifica a proteção oferecida.

Para além disso, na Suíça, o sistema de segurança social oferece proteção substancial em caso de falecimento, especialmente se estiveres casado(a) e/ou tiveres filhos. Tanto o primeiro quanto o segundo pilar providenciam benefícios significativos para a tua família, podendo suprir as necessidades financeiras em situações adversas sem a necessidade de um seguro de vida adicional.

Caso ainda consideres essencial ter um seguro de vida após avaliar todos estes pontos, opta por uma apólice "simples", separada do terceiro pilar. Desta forma, terás a cobertura necessária sem gastar tanto dinheiro. Assim, tanto tu como a tua carteira sentirão a diferença positiva dessa decisão.

Conclusão

O terceiro pilar associado a seguros de vida é uma opção bem menos vantajosa do que o terceiro pilar tradicional. Se um intermediário está a insistir para que escolhas esta opção, provavelmente, ele está mais interessado na comissão que irá receber do que no teu bem-estar financeiro. Se, tal como aconteceu comigo, já aderiste a um destes produtos, quero que saibas que há formas de minimizar o prejuízo e sair antes que a situação financeira se agrave. Claro que alguma perda de dinheiro é inevitável, mas por vezes é preferível cortar as perdas mais cedo para limitar o impacto negativo. Irei abordar as estratégias para lidar com esta situação num próximo artigo. Para garantir que não perdes estas informações cruciais, inscreve-te na nossa newsletter.

Newsletter


Começar o teu caminho para a independência financeira na Suíça

Chegar à Suíça, um país conhecido pela sua qualidade de vida, paisagens deslumbrantes e oportunidades de trabalho, é sem dúvida um momento important na vida de qualquer emigrante. Mas além de se adaptar a uma nova cultura e ambiente, é essencial pensar na tua independência financeira desde o início. Hoje, quero partilhar contigo alguns conselhos para te colocar no caminho certo para alcançares a tua independência financeira na Suíça.

Estabelece um Orçamento

Antes de mais, familiariza-te com o custo de vida na Suíça. Sim, é um dos países mais caros do mundo, mas com um planeamento cuidadoso, podes gerir o teu dinheiro de forma eficaz. Da minha própria experiência, percebi a importância de criar um orçamento detalhado desde o início. Isso inclui despesas com aluguer, alimentação, transporte, seguro de saúde e outras despesas essenciais. E, claro, a importância de incluir uma margem para poupança e - depois - investir.

Quando comecei a minha jornada à procura da independência financeira, o primeiro passo que tomei foi exatamente este: montar um orçamento. Esse exercício inicial ajudou-me imenso a perceber para onde o meu dinheiro estava a ir e onde eu poderia ajustar para poupar mais. É um método que recomendo a quem se está a mudar para a Suíça ou a qualquer pessoa que esteja a repensar as suas finanças pessoais. Acredita, este simples passo pode fazer uma grande diferença na tua capacidade de gerir as despesas e na tua jornada para alcançar a independência financeira.

Poupa e investe para atingires a tua independência financeira na Suíça

A poupança é o primeiro passo fundamental na construção da tua independência financeira, mas igualmente crucial é como escolhes investir essas poupanças. Na minha própria jornada financeira, percebi rapidamente a importância de explorar opções de investimento que não só preservassem o valor do meu dinheiro, mas também o fizessem crescer. A minha principal aposta foi no mercado imobiliário, tanto na Suíça como em Portugal. Este setor mostrou-se não só uma fonte de rendimento estável através de rendas, mas também um investimento a longo prazo que se valoriza com o tempo.
Para além disso, estando eu ligado ao ramo da construção, este meio é mais fácil para mim.

O terceiro pilar

Além do imobiliário, outro aspeto importante na Suíça é o 3º pilar, ou seja, o plano de pensões privado que complementa os esquemas de pensão estatal e ocupacional. Confesso que, quando cheguei à Suíça, não dei a devida importância a esta opção de poupança. E quando finalmente decidi investir no meu 3º pilar, fiz algumas escolhas menos acertadas por falta de informação adequada, e por conselhos de pessoas que procuram ganhos fáceis e não a melhor solução para o cliente, infelizmente. Mas esse tempo passou e aprendi com os erros e estou aqui para mudar isso mesmo, dar-te as ferramentas necessárias para teres o máximo de informações possíveis para tomares as tuas próprias decisões. Este aspeto será falado mais em detalhe num artigo dedicado brevemente.

Ao relembrar das minhas experiências iniciais com o investimento e o 3º pilar serve como um lembrete crucial: investir é um processo de aprendizagem contínuo. Vais certamente cometer erros, mas a chave é aprender com eles e continuar a avançar, sempre com o objetivo de uma vida financeiramente independente e segura na Suíça.

Aprende sobre o Sistema Fiscal

Perceber o sistema fiscal suíço é um aspecto crucial para gerir eficazmente as tuas finanças pessoais. No meu caso, no início, não dei muita importância a preencher a declaração de impostos, já que o imposto era retido diretamente do meu salário (ao teres o visto L ou B - por exemplo). Contudo, acabei por perceber que, nos primeiros anos, deixei de recuperar uma parte significativa do dinheiro que me era devido. Na Suíça é possível reaver uma parte dos impostos retidos, através de deduções específicas que podem ser aplicadas na declaração de impostos, mesmo se o mesmo imposto é retido na fonte.

Para muitos, o processo de preenchimento da declaração de impostos pode parecer intimidante ou até mesmo complexo. Se esta tarefa não é exatamente a tua praia, como não era a minha, há sempre a opção de procurar a ajuda de conselheiros fiscais. Estes profissionais podem não só poupar-te um tempo precioso mas também assegurar que estás a aproveitar ao máximo as potenciais poupanças fiscais. Sim, recorrer a um conselheiro tem um custo, mas, na minha experiência, é um investimento que compensa amplamente, tendo em conta o montante que podes economizar ou recuperar.

Hoje, após anos a viver na Suíça, familiarizei-me bem com o sistema fiscal e já consigo preencher a minha declaração de impostos sem assistência externa. Aprendi muito com os meus conselheiros passados e acredito que tu também poderás chegar a esse ponto.

Portanto, a minha sugestão é: não subestimes a importância de uma boa gestão fiscal. Informa-te, aproveita os recursos disponíveis e, se necessário, procura ajuda profissional. Este passo pode fazer uma grande diferença no teu objetivo para alcançar a independência financeira na Suíça.

Seguro de Saúde para a independência financeira na Suíça

O sistema de seguro de saúde na Suíça é algo que merece uma atenção especial, não só pela sua importância, mas também pela sua complexidade, e sobretudo pelo budget. Todos os residentes são obrigados a ter um seguro de saúde básico, que cobre um conjunto padronizado de serviços médicos. No entanto, apesar dessa base comum, vais descobrir que os preços podem variar significativamente entre as diferentes seguradoras.

A minha experiência pessoal reflete bem esta realidade. Optei por uma franquia alta, a mais elevada disponível de 2500 CHF, escolhendo o seguro de saúde mais acessível do mercado para a cobertura básica obrigatória. Esta decisão baseou-se na minha avaliação pessoal das necessidades e na minha situação financeira na altura, e sendo uma pessoa que está globalmente bem de saúde e que raramente utilizo serviços médicos, este é um bom compromisso para mim.

Os seguros complementares

Para além do seguro básico, existem os seguros complementares, que são aqui onde muitas seguradoras e intermediários encontram o seu "ganha-pão". Estes seguros oferecem coberturas adicionais, como tratamentos de medicina alternativa, quartos semi-privados ou privados em hospitais, entre outros. No entanto, é crucial estar bem informado sobre o que realmente precisas. No meu caso, valorizo a cobertura para medicinas alternativas, como a osteopatia, que, embora não utilize regularmente, faz sentido para mim e justifica o custo adicional. Por outro lado, decidi não adicionar seguros para opções como quartos semi-privados em hospitais, pois, com 33 anos – ainda posso considerar-me jovem, certo? – são serviços que provavelmente não precisarei tão cedo e, portanto, representariam um gasto desnecessário.

Esta abordagem reflete bem o quão subjetiva pode ser a escolha do seguro de saúde na Suíça. O que é indispensável para uma pessoa pode ser dispensável para outra. A chave está em compreender bem as tuas necessidades pessoais e familiares, bem como a tua situação financeira, para tomar decisões informadas.

Um caminho longo...mas alcançável

Alcançar a independência financeira é um longo caminho. Requer tempo, paciência e persistência. Mas com um planeamento cuidadoso e decisões inteligentes, podes maximizar as tuas oportunidades na Suíça e colocar-te no caminho certo para uma vida financeiramente segura e satisfatória.

Espero que estas dicas vão te ajudar a iniciar a tua aventura financeira na Suíça. Lembra-te, estamos neste caminhos juntos!

Um abraço,

Samuel


Um Novo Capítulo e o Caminho para a Independência Financeira

Olá a todos,

É com grande entusiasmo que anuncio meu regresso a Portugal, neste verão, após uma década na Suíça, um período de experiências ricas e recompensadoras que me permitiram não só construir um lar, mas também alcançar a independência financeira. Este retorno simboliza o término de um ciclo significativo e o início de uma nova era para o Emigrar.ch. Estou ansioso para partilhar esta nova fase da minha vida, trazendo inspiração tanto para aqueles que consideram emigrar para a Suíça quanto para os que já se encontram lá.

O Renascimento do Emigrar.ch

Durante a recente pausa nas nossas atividades, refleti profundamente sobre as necessidades da nossa comunidade e como poderia enriquecer ainda mais o conteúdo. Com o meu retorno a Portugal, pretendo aplicar as valiosas lições aprendidas para impulsionar o Emigrar.ch com novas ideias e informações relevantes, visando uma experiência mais enriquecedora e abrangente para todos.

Ampliando Horizontes - Independência financeira

Neste revigorado capítulo do Emigrar.ch, meu objetivo é compartilhar uma gama mais ampla de dicas. Vou explorar não apenas aspectos práticos da vida na Suíça, mas também minhas experiências pessoais sobre alcançar a independência financeira e o processo de regresso a Portugal. Este guia completo abordará todos os aspectos da emigração e da adaptação ao viver no estrangeiro, com a intenção de inspirar e orientar cada um de vocês na vossa aventura.

O que Vem a Seguir

  • Continuidade na Suíça: Emigrar.ch continuará a oferecer conselhos práticos para apoiar a aventura de emigração, com informações atualizadas e pertinentes.
  • Rumo à Independência Financeira: Mergulharei em temas de gestão financeira e investimento, compartilhando estratégias e dicas essenciais focadas nas necessidades de emigrantes na Suíça.
  • Planeando o Retorno: Baseado na minha experiência pessoal, oferecerei uma visão única para quem está considerando voltar a Portugal após um período no exterior.

Compromisso Renovado

Estou revitalizando o Emigrar.ch com uma energia renovada e um compromisso reforçado com nossa comunidade. Além de atualizações no nosso site, Instagram e Facebook, estou entusiasmado em lançar um novo canal no TikTok. Prometo trazer conteúdo semanal dinâmico e informativo que espero que encontre eco nas vossas aspirações e experiências. Podem seguir o mesmo clicando aqui.

Conclusão

Este é um convite pessoal para se juntarem a mim nesta jornada renovada, cheia de oportunidades e desafios, quer estejam na Suíça ou em Portugal. Estou ansioso para partilharmos juntos esta nova etapa.

Um abraço,

Samuel Soares


Descubra os 3 pratos suíços mais famosos e deliciosos para experimentar

 

A Suíça é famosa pelos seus belos Alpes, chocolates deliciosos e relógios precisos. Mas para além disso, a culinária suíça é igualmente famosa e variada. Com uma mistura de influências alemãs, francesas e italianas, a comida suíça tem algo para todos os gostos. Aqui ficam os três pratos principais da Suíça que deve experimentar.

Fondue

O Fondue é um prato suíço clássico que é perfeito para partilhar com amigos e família. É feito de queijo derretido e servido com pedaços de pão para mergulhar. A receita mais conhecida é a fondue moitié-moitié, queijo gruyère e vacherin, mas existem muitas variações com outros tipos de queijo e até mesmo com chocolate.

Raclette

A Raclette é outro prato de queijo suíço que é popular em todo o país. É feito colocando um grande pedaço de queijo próximo a uma fonte de calor e raspando o queijo derretido num prato, que é depois servido com batatas, pickles e outros acompanhamentos. É um prato quente e reconfortante que é perfeito para o inverno. Pode experimentar a Raclette em restaurantes especializados em queijo ou em muitos outros restaurantes em toda a Suíça.

Rösti

A Rösti é um prato suíço de batata que é servido em toda a Suíça, mas é especialmente popular na região de Berna. É feito de batatas raladas, que são cozidas até ficarem douradas e crocantes. É um prato simples, mas delicioso, que é muitas vezes servido com ovos, bacon ou salsichas. Pode experimentar a Rösti em muitos restaurantes em toda a Suíça.

Em resumo, se estiver a planear viver na Suíça, não deixe de experimentar o Fondue, Raclette e Rösti, os pratos mais famosos e deliciosos do país. Aprecie a culinária suíça com o seu sabor único e reconfortante.


Preços das rendas atingem novos máximos na Suíça.

O mercado imobiliário suíço atingiu níveis históricos de preços elevados, como ilustrado pelo apartamento mais caro da Suíça, alugado por 36.000 francos por mês em Lucerna. De acordo com um índice divulgado pela Homegate.ch e pelo Banco do Cantão de Zurique, os alugueis tiveram uma média de aumento de 2,6% em todo o país em março em comparação com o ano anterior.

Preço das rendas em alta em 18 cantões, mas algumas regiões registam queda nos preços

Embora 18 cantões tenham registrado aumento nos preços, alguns cantões como Schwyz (-1,3%) e Grisons (-1,2%) tiveram uma queda acentuada nos preços. O aumento mais significativo ocorreu em Nidwald (+1,3%) e Solothurn (+1%), enquanto em outros cantões, o aumento dos preços ficou abaixo de 1% no mês passado.

Nos últimos 12 meses, o preço dos aluguéis aumentou em quase todos os cantões, exceto em Zug, onde houve uma ligeira queda nos preços. Alguns cantões registaram um aumento superior a 4%, como Glarus, Valais e Appenzell.

Zurique lidera o aumento nos preços de rendas em março, com um novo recorde histórico

Zurique, a maior cidade da Suíça, registou um novo recorde histórico de aumento nos alugueis em março, com uma alta de 2%. Berna, Genebra, Lucerna e St. Gallen também tiveram aumento nos preços, enquanto Lausanne, Basileia e Lugano experimentaram uma queda nos preços.


Mudança para a Suíça: Artigos proibidos e taxas para alguns produtos

Se está a considerar mudar-se para a Suíça, é importante estar ciente das leis e regulamentos relacionados com a importação de bens. A Suíça não faz parte da União Europeia e, como tal, tem regras específicas sobre o que pode ser importado e quais as taxas que devem ser pagas para determinados bens.

Artigos proibidos de importar

Existem vários artigos que são proibidos de importar para a Suíça. Estes incluem:

  • Drogas ilegais
  • Produtos falsificados
  • Armas de fogo
  • Certos produtos alimentares;

Tenha em mente que estas regras são rigorosamente aplicadas e pode enfrentar multas ou outras penalidades se tentar importar estes itens.

Taxas para bens como tabaco, álcool e carne

Além dos artigos proibidos, existem taxas que devem ser pagas para importar bens como tabaco, álcool e carne para a Suíça. As taxas variam de acordo com o tipo de produto e a quantidade que está a ser importada.

Animais de estimação

Se tiver animais de estimação, é importante verificar os requisitos para a sua importação para a Suíça. Todos os animais devem ter um passaporte válido, que inclui informações sobre as suas vacinas e tratamentos. Também pode ser necessário realizar um exame médico antes de importar o seu animal de estimação para a Suíça.

A mudança para a Suíça pode ser um processo emocionante, mas é importante estar ciente das regras e regulamentos relacionados com a importação de bens. Certifique-se de que está ciente dos artigos proibidos de importar e das taxas que devem ser pagas para bens como tabaco, álcool e carne. Se tiver animais de estimação, certifique-se de que está em conformidade com os requisitos de importação. Seguindo estas diretrizes, pode desfrutar de uma mudança sem complicações.


Como escolher o melhor tarifário de telemóvel na Suíça

Se estiver a viver na Suíça, é provável que necessite de um tarifário de telemóvel local para se manter conectado. No entanto, com tantas opções disponíveis, pode ser difícil escolher o melhor tarifário para si. Felizmente, a Alao pode ajudá-lo a encontrar o tarifário certo para as suas necessidades e a poupar dinheiro no processo.

Aqui estão algumas dicas sobre como utilizar a Alao para escolher e poupar nos tarifários de telemóvel na Suíça:

Compreender as suas necessidades

Antes de escolher um tarifário de telemóvel, é importante compreender as suas necessidades. Se usa o seu telemóvel principalmente para chamadas e mensagens de texto, pode optar por um plano com menos dados móveis. Por outro lado, se usa o seu telemóvel para ver vídeos e navegar na internet, pode precisar de um plano com mais dados. Considere também quantas chamadas internacionais fará e se precisará de roaming para usar o seu telemóvel fora da Suíça.

Comparar tarifários

Uma vez que sabe o que precisa, pode começar a comparar os tarifários de telemóvel disponíveis na Suíça. A Alao oferece uma ferramenta de comparação de tarifários que lhe permite comparar os diferentes planos disponíveis com base nas suas necessidades. Pode comparar o custo mensal, o número de minutos, mensagens e dados incluídos em cada plano, bem como outras vantagens, como roaming gratuito.

Escolher o tarifário certo

Depois de comparar os diferentes tarifários, pode escolher o que melhor se adapta às suas necessidades. Certifique-se de ler os detalhes de cada plano com cuidado para entender completamente os termos e condições. Considere também a qualidade e cobertura da rede do operador de telemóvel.

Poupar dinheiro

Ao escolher um tarifário de telemóvel através da Alao, pode poupar dinheiro. A Alao tem acordos especiais com os operadores de telemóvel suíços, o que lhe permite obter preços mais baixos do que os disponíveis ao público em geral. Além disso, a Alao não cobra taxas adicionais ou comissões.

Escolher o tarifário de telemóvel certo na Suíça pode ser complicado, mas a Alao pode tornar o processo mais fácil e ajudá-lo a poupar dinheiro no processo. Certifique-se de entender as suas necessidades e comparar os diferentes tarifários disponíveis antes de tomar uma decisão. Com a ajuda da Alao, pode encontrar o tarifário certo para si e desfrutar de uma conectividade sem complicações na Suíça.


Comprar casa na Suíça: Condições e requisitos para obter um empréstimo bancário

Comprar uma casa, residência principal, na Suíça é um grande passo, mas também pode ser uma ótima oportunidade de investimento a longo prazo. No entanto, antes de dar esse passo importante, é importante conhecer as condições necessárias para a compra e empréstimo de uma residência principal na Suíça.

Residência e visto de estadia

Para comprar uma casa na Suíça, é necessário ter uma residência na Suíça e ter um visto de estadia.

Empréstimo

A maioria das pessoas que compram uma casa na Suíça precisa de um empréstimo para financiar a compra. Os bancos suíços são geralmente conservadores quando se trata de empréstimos imobiliários e geralmente exigem que os tomadores de empréstimos tenham um rendimento estável e um bom histórico de crédito. Além disso, é necessário ter pelo menos 20% do valor da propriedade como capital próprio. 10% terá de ser em dinheiro, enquanto que os outros 10% podem vir do seu segundo ou terceiro pilar.

Rendimento mínimo

Os bancos suíços geralmente exigem que os tomadores de empréstimos tenham um rendimento mínimo para poderem fazer o empréstimo. Esse valor varia de acordo com o banco e a região em que a propriedade está localizada. Geralmente, os bancos exigem que o pagamento mensal da hipoteca não exceda o 1/3 do rendimento bruto mensal. Grande parte dos bancos calculam uma taxa de juro de 5% para efetuar esses cálculos, apesar dos juros serem mais baixos. Desta forma minimizam o risco caso haja uma subida das taxas de juro.

Impostos e taxas

Ao comprar uma casa na Suíça, é importante lembrar que existem impostos e taxas associados à propriedade. Esses impostos e taxas variam de acordo com a região e o município em que a propriedade está localizada.

Aconselhamento especializado

Antes de comprar uma casa na Suíça, é altamente recomendável obter aconselhamento especializado de um consultor financeiro para ajudá-lo a entender todas as condições e implicações financeiras da compra.

Comprar uma casa na Suíça pode ser um processo complexo, mas com as informações certas e o aconselhamento especializado, pode tornar esse sonho realidade. Lembre-se de que as condições para a compra e empréstimo de uma residência principal na Suíça variam de acordo com o banco e a região em que a propriedade está localizada. É sempre recomendável fazer uma pesquisa completa antes de tomar uma decisão.


Setores de atividade na Suíça: como os salários variam

A Suíça é conhecida pelos seus altos salários, mas a verdade é que os salários podem variar bastante de acordo com o setor de atividade. Neste artigo, vamos explorar alguns setores de atividade na Suíça e como os salários variam entre eles.

Indústria financeira

A indústria financeira é um dos setores mais bem remunerados na Suíça. As empresas de bancos e seguradoras estão concentradas principalmente em Zurique, Genebra e Basileia, e oferecem salários competitivos para atrair trabalhadores altamente qualificados. Os cargos mais bem pagos incluem cargos de liderança em finanças, investimentos e gestão de risco.

Farmacêutica

A Suíça é um centro de pesquisa e desenvolvimento farmacêutico, e muitas empresas farmacêuticas têm sua sede no país. Os salários na indústria farmacêutica são geralmente muito competitivos, especialmente para aqueles com habilidades em pesquisa e desenvolvimento. Zurique e Basileia são os principais centros de atividade da indústria farmacêutica na Suíça.

Tecnologia

O setor de tecnologia está crescendo rapidamente na Suíça, e muitas empresas estão oferecendo salários atraentes para atrair trabalhadores qualificados. Os salários na indústria de tecnologia são geralmente competitivos, especialmente em cargos de liderança em empresas de tecnologia. Zurique e Genebra são os principais centros de atividade da indústria de tecnologia na Suíça.

Turismo e hotelaria

O setor de turismo e hotelaria é um dos setores mais importantes da economia suíça. Embora os salários nesse setor possam ser mais baixos do que em outros setores, há muitas oportunidades para trabalhadores com pouca ou nenhuma experiência. Os salários na indústria de turismo e hotelaria são geralmente mais elevados em áreas turísticas populares, como os Alpes suíços.

Agricultura

A agricultura é uma parte importante da economia suíça, mas os salários nesse setor são geralmente mais baixos do que em outros setores. A maioria dos trabalhadores na agricultura é paga por hora, e o salário pode variar de acordo com a região e o tipo de trabalho.

Em conclusão, os salários na Suíça podem variar bastante de acordo com o setor de atividade. A indústria financeira, farmacêutica e tecnológica oferecem os salários mais competitivos, enquanto a indústria de turismo e hotelaria e agricultura oferecem salários mais baixos. Ao procurar trabalho na Suíça, é importante levar em consideração não apenas o salário, mas também outros fatores, como o custo de vida e a localização.


Reconhecimento de diplomas para profissões protegidas na Suíça

Se é um profissional com uma formação ou diploma de outro país e deseja trabalhar numa profissão regulada na Suíça, precisará obter o reconhecimento do seu diploma na Suíça para poder praticar legalmente. O reconhecimento de diplomas na Suíça é um processo rigoroso e pode levar algum tempo para ser concluído, mas é necessário para garantir que os profissionais tenham as habilidades e competências necessárias para desempenhar com segurança a sua profissão. Neste artigo, vamos explicar passo a passo o que é necessário fazer para obter o reconhecimento de diploma para profissões protegidas na Suíça.

Identifique sua profissão e regulamentação

Antes de começar o processo de reconhecimento, precisa de identificar a sua profissão e verificar se ela é uma profissão protegida na Suíça. As profissões protegidas são aquelas que exigem um diploma ou formação específica para praticá-las. Pode encontrar informações sobre as profissões protegidas no site do governo suíço.

Verifique as exigências de formação e experiência

Depois de identificar sua profissão, é importante verificar as exigências de formação e experiência para a prática da profissão na Suíça. Pode encontrar essas informações no site do governo suíço ou entrando em contato com as autoridades responsáveis pelo reconhecimento de diplomas em sua área de atuação.

Solicite o reconhecimento do seu diploma

Depois de verificar as exigências de formação e experiência, pode solicitar o reconhecimento do seu diploma. O processo de reconhecimento varia dependendo da profissão e da região em que você está se candidatando, pode encontrar as autoridades competentes, dependendo da área, nesta ligação.

Envie a sua documentação

Depois de solicitar o reconhecimento, precisa de enviar a sua documentação para as autoridades responsáveis pelo processo de reconhecimento. Isso pode incluir cópias do seu diploma, certificados de formação, certificados de experiência e outros documentos relevantes, como inscrição à ordem da sua profissão em Portugal. Certifique-se de que sua documentação esteja completa e em conformidade com as exigências das autoridades responsáveis pelo reconhecimento.

Aguarde a avaliação

Depois de enviar a sua documentação, terá de guardar a avaliação das autoridades responsáveis pelo processo de reconhecimento. O tempo necessário para a avaliação pode variar dependendo da profissão e da região em que se está a candidatar. Pode entrar em contato com as autoridades para obter informações sobre o andamento do processo de avaliação.

Exames ou cursos adicionais

Em alguns casos, as autoridades responsáveis pelo reconhecimento podem exigir que faça exames ou cursos adicionais para obter o reconhecimento do seu diploma. Certifique-se de seguir as instruções das autoridades e concluir todas as etapas necessárias para obter o reconhecimento do seu diploma.

Em conclusão, obter o reconhecimento do diploma para profissões protegidas na Suíça pode ser um processo rigoroso, mas é necessário para garantir que os profissionais tenham as habilidades e competências necessárias para desempenhar as suas funções com segurança e eficiência. É importante verificar as exigências de formação e experiência para a prática da sua profissão na Suíça, solicitar o reconhecimento do seu diploma e seguir todas as instruções das autoridades responsáveis pelo processo de reconhecimento. Com dedicação e paciência, pode obter o reconhecimento do seu diploma e iniciar uma carreira bem-sucedida na sua profissão na Suíça.