Cantão de Vaud abre a vacinação a todos os adultos

Primeiro cantão da Suíça francófona a tomar esta decisão, Vaud decidiu abrir a vacinação contra a Covid-19 a todas as pessoas com mais de 18 anos de idade. Os Conselheiros de Estado Béatrice Métraux e Rebecca Ruiz anunciaram isto na inauguração do centro de vacinação em Montreux.

A partir do meio-dia desta segunda-feira, qualquer adulto residente no cantão e nascido antes de 2003 pode fazer uma marcação, sujeita à disponibilidade. O registo deve ser feito preferencialmente através do website coronavax.ch, diz o comunicado de imprensa do cantão. Os interessados podem também ligar para o 058 715 11 00 se o registo através da Internet não for possível.

A decisão foi possível graças ao aumento das entregas de vacinas Moderna e Pfizer, ao reforço do sistema cantonal e ao progresso da vacinação nos grupos anteriores.

Até à data, mais de 83% dos doentes crónicos em Vaud foram vacinados, dois terços das pessoas com mais de 75 anos e mais de metade das pessoas com 65-74 anos. E cerca de metade dos 50-64 anos já fizeram uma marcação desde o alargamento a este grupo etário.

 


As 3 fases de relaxamento das medidas na Suíça

Restaurantes não abrem totalmente antes de dia 26 de maio

Será necessário esperar pelo menos até ao final de Maio para que os restaurantes possam ser reabertos na sua totalidade. O Conselho Federal quer esperar que todas as pessoas em risco tenham sido vacinadas, antes de relaxar ainda mais as medidas contra o coronavírus.

O governo está a apostar na vacinação. Quanto mais pessoas forem vacinadas, menos encerramentos e restrições serão necessários, disse-se na quarta-feira. O objetivo continua a ser evitar a sobrecarga dos hospitais.

Primeira fase, a chamada "fase de proteção"

A fim de levantar gradualmente as medidas de proteção contra o Covid-19, o Conselho Federal elaborou um modelo trifásico sobre o qual os cantões estão a ser convidados a votar. Também definiu valores-guia para apertar colocar mais restrições se necessário.

Dada a frágil situação epidemiológica, a primeira fase, a fase de "proteção", continuará pelo menos até 26 de Maio. Este é o tempo estimado para 75% das pessoas de risco de terem sido vacinadas. O governo avaliará a situação a 12 de Maio e, se necessário, colocará um pacote de medidas à disposição para consulta.

Segunda fase, a chamada fase de "estabilização"

Depois de 26 de Maio, a reabertura das áreas interiores dos restaurantes poderá ser feita, bem como o regresso do ensino presencial nas universidades e colégios, e o fim da obrigação de teletrabalho. No entanto, as empresas e instituições de ensino terão de realizar testes regulares.

Durante esta fase de estabilização, todos os adultos que desejem ser vacinados - 60% de acordo com algumas estimativas - podem ser vacinados. A Confederação espera que tenham recebido pelo menos uma primeira dose de vacina até ao final de Junho e uma segunda até ao final de Julho. Contudo, o Conselho Federal adverte que não deve haver lacunas no fornecimento de vacinas e que o processo de vacinação deve prosseguir como planeado.

Grandes eventos, bares e discotecas

Nesta base, o governo acredita que serão possíveis novas aberturas durante esta fase de "estabilização". Grandes eventos, bares e discotecas, onde o risco de transmissão é particularmente elevado, poderiam ser gradualmente abertos sob certas condições.

Uma vez que a cobertura vacinal tenha atingido cerca de 40% a 50%, poderá ser introduzido o acesso seletivo para aqueles que tenham sido vacinados, testados ou curados. O certificado Covid-19, atualmente em desenvolvimento, seria a solução.

Terceira fase, a fase de "normalização"

A chamada fase de "normalização" terá início em Agosto, quando todos os adultos que desejem ser vacinados tiverem sido vacinados. As restrições sociais e económicas já não serão justificadas. As restantes medidas, tais como restrições de acesso ou a limitação do número de pessoas, serão gradualmente levantadas.

O Conselho Federal aderirá a esta estratégia, mesmo que, apesar das expectativas, a propensão da população a ser vacinada permaneça baixa. O vírus continuará a circular e, a longo prazo, pessoas não vacinadas e não curadas ficarão infetadas. Quanto maior o número de pessoas não vacinadas e não curadas, maior o potencial para surtos.

Reintrodução de algumas medidas

Para evitar uma nova vaga, o governo continua, portanto, a promover a vacinação gratuita. No entanto, respeita a decisão pessoal de cada indivíduo.

Se, apesar de tudo, a epidemia se fortalecer, certas medidas - uso de máscaras, planos de proteção, distanciamento e limitação de capacidades - poderiam ser reintroduzidas por algum tempo. No entanto, estas medidas só se aplicariam a pessoas que não possuam um certificado Covid-19.

 

 


Estado da vacinação na Suíça

A Suíça ultrapassou 2 milhões de vacinações.

"Passámos a marca dos dois milhões de vacinas na semana passada", disse Nora Kronig, vice-directora do Gabinete Federal de Saúde Pública (OFSP), aos meios de comunicação social na terça-feira. O limite de três milhões de doses entregues será atingido esta semana.

Nora Kronig explicou ainda que a entrega reduzida de vacinas Moderna no sábado será feita na quinta-feira. "Recebemos novas doses todas as semanas, com algumas incertezas e variações". Mas a vacinação continua.

Os números a 18 de abril de 2021

Doses de vacina recebidas na Suíça: 2 619 075
Doses de vacina entregues aos cantões e FL: 2 476 050
Doses administradas até à data: 2 100 669
Doses administradas por 100 habitantes: 24,3

Eficácia das vacinas durante 6 meses

As vacinas são eficazes até seis meses após a injeção. As pessoas que já foram vacinadas podem ser isentas de quarentena durante estes seis meses duas semanas após terem recebido a segunda dose, referiu Christoph Berger, Presidente da Comissão Federal de Vacinas.

A estratégia de vacinação do governo federal foi adaptada. As pessoas que já tiveram Covid-19 também podem ser vacinadas seis meses após terem contraído a doença. No entanto, receberão apenas uma dose, explicou Christoph Berger na conferência de imprensa. As pessoas com sistemas imunitários enfraquecidos receberão duas doses.

A vacinação também é possível para mulheres grávidas vulneráveis ou altamente expostas a riscos. Deve ser feito em consulta com o ginecologista.

O objetivo é também a vacinação de crianças, nas quais também existem raros casos de agravamento. Estão em curso estudos para os que têm entre 12 e 18 anos, mas ainda não existem dados para as crianças mais novas, salientou Christoph Berger.

 

 


Novas medidas na Suíça, a partir de dia 19 de abril

O Conselho Federal anunciou hoje as novas medidas em vigor a partir de segunda-feira dia 19 de abril. Apesar da situação sanitária estar ligeiramente pior, o Conselho Federal decidiu aligeiras as medidas. Pois, 50% das pessoas com mais de 80 anos e 30% das pessoas entre os 70 e 80 anos estão vacinadas. Assim, o Conselho Federal considera estas novas medidas um risco calculado.

RESTAURANTES E BARES - abertura de esplanadas

Concretamente, as atividades em que o risco de infeção é moderado, onde pode ser usada mascara e respeitar o distanciamento social, vão ser novamente permitidas a partir de segunda-feira. Restaurantes e bares poderão reabrir as esplanadas. No entanto, os clientes terão de ser servidos à mesa, tirar a mascara apenas para comer e deixar as suas informações de contacto.

As mesas serão limitadas a quatro convidados. Devem ser espaçadas de um metro e meio entre si ou separadas por uma parede. Como as esplanadas não são geralmente suficientes para cobrir todos os custos dos restauradores, a ajuda dada pela confederação será prolongada. As discotecas e os salões de dança permanecerão fechados.

UNIVERSIDADES - recomeço das aulas presenciais limitadas a 50 pessoas

Os estudantes poderão regressar às universidades. O ensino em sala de aula será novamente permitido para universidades e educação de adultos mas limitado a 50 pessoas por aula.

CINEMAS E TEATROS - 50 pessoas no máximo

Os cinemas e teatros poderão reabrir em condições semelhantes. No entanto, os teatros só poderão acomodar 50 pessoas ou um terço da sua capacidade.

MUSEUS - visitas guiadas para 15 pessoas

Uma lufada de ar fresco para os museus. Poderão organizar visitas guiadas para 15 pessoas. E os membros de associações podem reunir-se dentro dos mesmos limites.

JOGOS DE FUTEBOL E CONCERTOS AO AR LIVRE- limitado a 100 pessoas

Os jogos de futebol, concertos e outros eventos ao ar livre serão limitados a 100 pessoas. Um lugar deve ser deixado livre entre os espetadores, que devem permanecer sentados e usar a mascara em todos os momentos. O consumo não será permitido.

ATIVIDADES DESPORTIVAS - grupo de 15 pessoas

Os adultos poderão retomar as atividades desportivas em grupos até 15 pessoas. E, também podem ser realizadas competições. No entanto, a mascara e a distância devem ser respeitadas no interior, enquanto o respeito de uma das duas regras é suficiente no exterior.

Serão permitidas exceções para atividades em que seja impossível usar uma máscara, tais como coros ou atividades de resistência em ginásios. No entanto, o Conselho Federal recomenda que estas atividades sejam realizadas ao ar livre e que sejam previamente testadas. Os desportos de contacto continuam a ser proibidos no interior.

 


Os efeitos da vacinação estão a aparecer - Conferência de imprensa

Os efeitos da campanha de vacinação sobre as pessoas com mais de 75 anos de idade estão a funcionar. Este grupo prioritário é menos afetado pelo Covid-19 e o mesmo deverá acontecer em breve também para a população mais jovem, disse Rudolf Hauri, presidente da Associação dos Médicos Cantonais, na terça-feira perante os meios de comunicação social em Bern.

"Este desenvolvimento oferece a perspetiva de um declínio sustentável do número de infeções", acrescentou o médico cantonal de Zug. No entanto, é necessário manter-se cauteloso. O risco de um aumento rápido da infeção não pode ser excluído.

Além disso, nem tudo é ainda ótimo no que diz respeito à vacinação. O número de doses é ainda insuficiente e as capacidades de vacinação precisam de ser ajustadas. Além disso, ainda há pessoas com direito a ser vacinadas que ainda não se registaram", diz Rudolf Hauri.

Provavelmente levará até ao Outono para que todos os que querem ser vacinados o possam fazer.

Ligeiro aumento do número de casos

O número de novas infeções continua a aumentar, mas ligeiramente. A situação é controlável e contida, graças às medidas tomadas, disse Virginie Masserey, chefe da secção de controlo de infeções do Gabinete Federal de Saúde Pública (OFSP). "Com 2.000 a 2.500 casos por dia, a situação não é explosiva", disse ela.

A vacinação está a progredir Na semana passada, cerca de 30.000 vacinações estavam a ser realizadas todos os dias. Isto é 25% mais do que na semana anterior, que foi, no entanto, marcada por um abrandamento no ritmo das injeções.

Pela primeira vez na Suíça, foram administradas mais de 200.000 doses de vacina numa semana, ou seja, 210.279 doses entre 5 e 11 de Abril. Cerca de 70% das pessoas com mais de 75 anos de idade já receberam uma primeira dose. A nível suíço, 8% da população foi totalmente vacinada, e pelo menos 13% recebeu uma dose, disse Virginie Masserey.

No total, 484.008 doses de vacina foram entregues aos cantões, mas ainda não foram utilizadas. Além disso, 91.200 doses foram armazenadas pela Confederação, e cerca de 8 milhões de doses adicionais estarão disponíveis nos próximos meses.

 


Cantão de Genève começa vacinação às pessoas de 45 anos e mais

O cantão de Genève anunciou que está a alargar a sua campanha de vacinação. As pessoas com 45 ou mais anos de idade poderão agora ser vacinadas contra a Covid-19. As autoridades de saúde tomaram esta decisão depois de terem observado que muito poucas pessoas entre os 55 e 64 anos de idade estavam nas listas de espera.

O cantão pretende adaptar a taxa de injeções ao stock de doses disponíveis, e assim evitar acabar com mais doses do que candidatos à vacinação.

Centro de vacinação de alta capacidade

Além disso, Genebra vai abrir um centro de vacinação de alta capacidade na Palexpo na próxima semana, anunciou o Director-Geral da Saúde Adrien Bron. O cantão terá então sete centros de vacinação e um centro adicional deverá abrir em Maio.

A nível epidemiológico, a situação permanece tensa. Embora não tenha havido deterioração do número de admissões hospitalares, as autoridades notaram uma tendência persistente do aumento do número de casos. A marca dos 200 casos diários foi ultrapassada uma vez. Temos de voltar a Dezembro para encontrar um tal nível no cantão.

 


"Os números estão a aumentar" - Patrick Mathys

O Gabinete Federal de Saúde Pública (OFSP/BAG) realizou a sua tradicional conferência de imprensa semanal. O chefe da Secção de Gestão de Crise e Cooperação Internacional, Patrick Mathys, começou por salientar que o número de infeções na Suíça está a aumentar. "Em termos de hospitalizações e mortes, houve também um ligeiro aumento. Um quinto das camas dos cuidados intensivos estão ocupados por doentes Covid", disse ele.

Segundo o alto funcionário, os números atuais ainda não permitem um efeito estatisticamente significativo da vacinação no país. "Há indicações, mas é insuficiente para fazer uma ligação concreta entre a vacinação e a ocupação das camas de cuidados intensivos".

Os números atuais devem ser vistos com cautela. Devido ao longo fim-de-semana da Páscoa, resultados mais fiáveis não estarão disponíveis antes do final da semana.

A variante do Reino Unido é dominante na Suíça

Patrick Mathys falou da situação das variantes e à sua reprodução. Este relembra que a variante britânica é agora dominante e representa mais de 90% dos casos positivos.

Como consequência: "Nos próximos dias, vamos adaptar os relatórios dos casos. Deixaremos de apresentar a variante britânica como uma das variantes, uma vez que é a que está a circular".

Certificado Covid-19 até ao Verão

A Confederação irá escolher durante as próximas duas semanas a solução técnica para o certificado de vacinação Covid-19, acrescentou Patrick Mathys. O certificado é esperado para este Verão. O certificado deve ser reconhecido internacionalmente, à prova de falsificação e cumprir os requisitos de proteção de dados. Várias soluções técnicas estão atualmente a ser estudadas.

"A linha de chegada está próxima", de acordo com o chefe da Task Force

Também presente na conferência de imprensa da OFSP, Martin Ackermann, presidente do Grupo de Trabalho Científico, apresentou a sua análise dos efeitos da vacinação na Suíça.

"Observámos a evolução no grupo das pessoas mais vacinadas (com mais de 75 anos) e comparámo-la com os outros grupos etários. No grupo etário dos 75+, o número de casos tem vindo a diminuir desde o início de Março. O número de hospitalizações e de mortes também está a diminuir. Isto é agradável. É diferente para outros grupos etários", disse ele.

As autoridades estão particularmente preocupadas com casos no grupo etário dos 50 aos 70 anos, que ainda não foi vacinado. Isto torna ainda mais importante evitar sobrecarregar o sistema de saúde, disse Patrick Mathys.

Otimismo por parte de Martin Ackermann

De acordo com Martin Ackermann, serão necessários três meses para que os efeitos da campanha de vacinação realmente se façam sentir na Suíça. O presidente da task force está otimista: "Como dissemos no início, a linha de chegada está próxima. De um ponto de vista científico, vale a pena fazer um esforço final e não colocar tudo em jogo tão perto do objetivo".

A situação só pode ser relaxada depois de 50% da população ter sido vacinada. O chefe do Grupo de Trabalho Científico, Martin Ackermann, exortou a população a aguentar mais dois a três meses.

Manter o nível baixo de infeções

O cientista acredita que vale a pena manter baixo o número de novas infeções.

Isto limita o número de pessoas com formas graves da doença, poupa o pessoal de enfermagem e mantém o rastreio sob controlo. É também importante para a economia, escolas e formação.

Devemos continuar os nossos esforços durante os próximos três meses para manter a situação sob controlo", disse Martin Ackermann.

 

 


"Uma situação delicada" segundo Alain Berset - Ministro da Saúde

Nova conferência de imprensa em Bern sobre o Covid-19 na Suíça.

"Uma situação delicada", diz Alain Berset

No período que antecedeu a conferência de imprensa do Conselho Federal sobre as novas decisões em matéria de cultura, Alain Berset fez uma breve análise da situação epidemiológica.

"Desde meados de Fevereiro, o número de casos voltou a aumentar. Encontramo-nos numa situação bastante delicada. Temos de respeitar as medidas de proteção sempre que possível. Hoje, este aumento ainda não é uma explosão", disse ele.

Alain Berset recordou também que até agora, 900.000 pessoas foram vacinadas com uma dose, ou seja, mais de um décimo da população suíça.

O objetivo é ter um bom verão

No que diz respeito ao sector cultural, Alain Berset reconhece que foi duramente atingido: "É um dos sectores que mais sofre com a situação. Há uma grande frustração para os intervenientes, mas também para o público".

"O objetivo deve continuar a ser ter um bom Verão, também com uma cultura animada, mas não será fácil para os eventos culturais. Sabemos que temos de nos organizar, planear, enquanto ainda existem grandes incertezas. Queremos evitar uma situação de stop-and-go", acrescentou ele.

Ajudas retroativas para a cultura

As pessoas que trabalham no sector cultural receberão uma compensação retroativa por perdas financeiras a partir de Novembro de 2020. A portaria revista Covid-19 adaptada pelo Conselho Federal também estende o apoio aos trabalhadores intermitentes.

O governo também flexibilizará as condições para o pedido de ajuda de emergência. Os limiares máximos de fortuna para reclamar ajuda de emergência foram aumentados de CHF 45.000 para CHF 60.000. Este limiar é aumentado para cada criança a cargo. Este montante aumenta de 15.000 para 20.000 francos.

Apenas a fortuna livremente disponíveis são tidos em conta para a avaliação dos pedidos, de acordo com esta revisão da portaria Covid-19 sobre cultura. Os bens imobiliários estão excluídos desse cálculo.

Graças a estas mudanças, os intervenientes na cultura receberão apoio "ininterrupto" a partir de 20 de Março de 2020, de acordo com o Conselho Federal.

Trabalhadores intermitentes incluídos

E este apoio será agora alargado aos trabalhadores intermitentes. O Conselho Federal tem em conta todos os trabalhadores a termo certo que possam provar pelo menos quatro contratos a termo certo com pelo menos dois empregadores diferentes no sector cultural.

Além disso, Suissseculture Sociale e os cantões poderão conceder um pagamento adiantado aos agentes culturais se não tiver sido tomada uma decisão no prazo de 30 dias após a apresentação da candidatura. Esta possibilidade destina-se a acelerar o fluxo de fundos, de acordo com o Conselho Federal.

As medidas tomadas para combater a pandemia do coronavírus estão a ter um grande impacto no sector cultural, de acordo com o Conselho Federal. Os atores culturais, em particular, enfrentam "uma ameaça existencial".

265 milhões já atribuídos

"Até ao momento, foram apresentados 23.000 pedidos e foram tomadas 19.000 decisões, num total de 265 milhões de francos concedidos", explicou Alain Berset.

Para 2021, foram disponibilizados 130 milhões de francos para apoiar o sector cultural.

Apoio adicional às empresas e aos trabalhadores independentes

As empresas particularmente afetadas pelas medidas de combate à pandemia do coronavírus e os trabalhadores independentes receberão um impulso adicional. Na quarta-feira, o Conselho Federal alterou as portarias relevantes com efeito a partir de 1 de Abril.

As empresas fundadas antes de 1 de Outubro de 2020, em vez de 1 de Março de 2020 como inicialmente previsto, serão elegíveis, disse o governo numa declaração.

Níveis máximos de ajuda aumentados

Os limites máximos aplicáveis às contribuições não reembolsáveis permanecem inalterados em 20% do volume de negócios anual. Contudo, o montante máximo foi aumentado para 1 milhão CHF para as pequenas e médias empresas (PME) com um volume de negócios anual inferior a 5 milhões CHF, e para 5 milhões CHF para as grandes empresas.

Haverá também mais apoio para "casos de dificuldade". Os limites máximos podem ser aumentados para 30% do volume de negócios anual e para um máximo de 10 milhões para as grandes empresas se o seu volume de negócios cair mais de 70% ou se os seus proprietários prestarem os seus próprios serviços em 40% da ajuda adicional.

Uma contribuição de equidade adicional de 1 milhão aumenta o valor máximo em 2,5 milhões. Isto elevaria o mesmo de 5 milhões para 7,5 milhões.

O novo prazo aplicar-se-á a todas as empresas que receberem uma contribuição após 1 de Abril de 2021. A proibição será levantada assim que a ajuda for reembolsada. As grandes empresas também terão de reembolsar as suas contribuições não reembolsáveis se obtiverem lucros em 2021.

Ajuda mais acessível para os trabalhadores independentes

Os trabalhadores independentes terão mais facilidade em obter ajuda. Terão de provar uma perda de 30%, e já não 40%, do volume de negócios em comparação com a média de 2015 a 2019, para obterem licenças de perda de rendimentos.

A medida é limitada a metade do ano 2021. Mas as candidaturas podem ser feitas até ao final do ano.

 


Um ritmo mais elevado nas vacinações na Suíça

As vacinações prosseguem a um ritmo mais elevado na Suíça.

De 22 de Março a 28 de Março, foram administradas na Suíça 184.555 doses da vacina Covid-19, de acordo com dados publicados no website do Gabinete Federal de Saúde Pública. Em média, foram efetuadas 26.365 vacinações por dia.

Em comparação com a semana anterior, a taxa de injeções aumentou em 22%. No total, foram efetuadas 1.436.996 vacinações até domingo.

6.2% da população já teve as duas doses.

Até agora, 535.250 pessoas foram totalmente vacinadas. Isto significa que 6,2% da população já recebeu duas doses de vacina. 366.496 pessoas receberam apenas uma injeção.

Um total de 305.079 doses de vacina foram entregues aos cantões, mas ainda não foram utilizadas. Além disso, 77.500 doses foram guardadas pela Confederação.

Certificado de vacinação

Todas as pessoas que estão atualmente vacinadas recebem um certificado em papel, mas este documento não é uma prova oficial de vacinação, sublinhou Patrick Mathys, chefe da gestão de crise, em conferência de imprensa. "O certificado de vacinação Covid-19 está a ser desenvolvido", disse Mathys. "Precisamos de normalizar este certificad, que deve ser à prova de falsificação. E deve poder ser reconhecida internacionalmente. A base legal para tal certificado existe, foi estabelecida na lei Covid-19."

O certificado será disponibilizado tanto em papel como em formato eletrónico, numa altura ainda por determinar. Mas será "o mais rápido possível", assegurou Patrick Mathys. "Estamos a trabalhar arduamente para que estejamos prontos para o Verão".

Tecnicamente, ainda não é claro como serão registadas as vacinações já realizadas.

Auto-testes disponíveis em farmácia no dia 7 de abril

Os auto-testes Covid-19, que estarão disponíveis dentro de oito dias, são um bom complemento às medidas que já temos à nossa disposição, salientou o presidente da associação de farmacêuticos PharmaSuisse numa conferência de imprensa em Bern.

Os testes estarão disponíveis a partir de quarta-feira 7 de Abril em todas as farmácias suíças. "Mas é muito importante que nem todos se apressem a entrar nas farmácias no primeiro dia", salientou Martine Ruggli, "Não seríamos capazes de gerir um afluxo tão grande e servir todos os clientes."

Os farmacêuticos estão atualmente a fazer preparativos. "Devemos ter o suficiente para assegurar que toda a população tenha acesso", disse ela, pedindo paciência.

Cada pessoa receberá cinco testes por mês. A fim de os recolher, terão de apresentar o seu cartão de seguro. Isto tornará possível verificar se a pessoa já recebeu a sua quota e impedi-la de receber mais, indo a várias farmácias.

No entanto, estes auto-testes não serão adequados para testes em massa em empresas ou escolas. Devem continuar a ser um complemento da estratégia de teste, para serem utilizados em ambiente privado.

 


A vacina não permite (ainda) escapar à quarentena

Depois de algumas dúvidas relativamente às vacinas que surgiram na página Emigrar, ficam aqui tiradas as dúvidas

Pessoas vacinadas ainda não podem fugir da quarentena na Suíça - por agora

Uma pessoa que tenha visitado uma área do mundo considerada em risco menos de dez dias antes de regressar à Suíça deve entrar em quarentena apesar de um teste PCR negativo.

Esta quarentena é agora de dez dias, mas pode ser reduzida para sete após um novo teste negativo após uma semana. É igualmente necessário registar-se junto das autoridades cantonais, através de um formulário que se contra online, no momento em que se chega à Suíça.

E, por enquanto, as pessoas vacinadas não são exceção. Mas as autoridades suíças estão a trabalhar nesta questão e a situação poderá mudar em breve. Por enquanto, se estás vacinado, e vieste de um país de risco, ainda tens de fazer quarentena ao chegar à Suíça.