Este é o primeiro artigo da série independência financeira.

Muitos de nós, emigrantes, vimos com o objetivo de trabalhar, poupar e, enventualmente, regressar a Portugal.

Claro que isto não é um caminho único….e ainda bem. Somos todos diferentes e vivemos vidas diferentes que nos podem levar para outros caminhos.

Neste artigo quero-te conhecer melhor.

Quais são as razões pelas quais decidiste emigrar?

A vida em Portugal era muito complicada?

Não tinhas trabalho?

Ou simplesmente querias ter novas oportunidades ou quem sabe novas aventuras?

Chegaste ao desconhecido? Ou já eram terras conhecidas?

Vim para a Suíça por duas razões.

Falta de oportunidades em Portugal

Quando acabei o meu curso em Lisboa, sabia que as oportunidades de trabalho existiam, mas não eram renumeradas o suficiente. Ou seja, existia um grande aproveitamento das empresas com os empregados recém licenciados. Este não era um caminho que queria seguir, queria melhor qualidade de vida.

A Suíça, terra conhecida

Provavelmente podemos dizer que sou privilegiado relativamente a outros emigrantes, pois vir para a Suíça não era mergulhar no desconhecido.

Já conhecia bem o país pois, os meus pais eram emigrantes cá e foi cá que eu nasci.

Depois de festejar os meus 12 anos na Suíça, os meus pais decidiram regressar a Portugal, fechando as portas à Suíça de  maneira parcial. Pois, em vez de trabalharem sempre em Portugal (o que aconteceu por um curto período), os meus viviam uma vida semi-reformada, estando ainda longe da reforma oficial.

Como?

Faziam temporadas no inverno ou no verão cá na Suíça, e estavam livres no resto do ano. Desta forma, aproveitaram o clima e a qualidade do nosso belo país.

O meu pai está oficialmente reformado há um ano. Ou seja, já vivia uma vida semi-reformada há mais de 15 anos. A minha mãe, ainda não chegou aos 60, portanto ainda lhe falta algum caminho e já parou totalmente de fazer temporadas na Suíça há cerca de 5 anos.

Não achas incrível chegares a um momento da tua vida e dizeres: já não preciso de trabalhar a 100%, 12 meses por ano?

Independência financeira: é isto!

É poderes fazer o que quiseres da tua vida, sem depender de um emprego fixo. Claro, que todos nós somos diferentes, e todos nós podemos querer outros desafios, e ter uma carreira, mas não invalida que a independência financeira é importante e dá-te segurança em qualquer caminho.

Independência financeira

Este termo tem sido surgido muito nos últimos anos, até existe uma comunidade denominada FIRE (Financial Independence Rertire Early) que significa Independência financeira reforma antecipada. Esta comunidade tem toda o mesmo objetivo: atingir a independência financeira o mais rapidamente possível.

Tem graça, porque quando começei a interessar-me no assunto, percebi que era exatamente o que os meus pais fizeram, mas noutra época onde as redes sociais ainda não existiam.

Para mim, eles são o melhor exemplo para atingir essa independência financeira.

Não é possível para todos?

Deves estar a pensar que isto não é possível para todos. Nem todos temos os mesmos salários! Nem todos temos o mesmo número de pessoas na família para sustentar. É verdade, pode ser mais complicado. Pode levar mais tempo. Mas é totalmente possível. Só tens de saber usar os recursos que tens à disposição.

Os meus pais eram porteiros numa estância de esqui “concierge”, limpavam prédios e apartamentos, levantavam-se às 5h da manhâ para tirar a neve da estrada nos caminhos privados dos prédios, e conseguiram a independência financeira, com dois filhos, e com trabalhos que não era dos melhores renumerados cá na Suíça. Se eles conseguiram, porque não o conseguirias?

O meu objetivo?

Tal como muitos portugueses, eu quero regressar a Portugal.

Batizei o mesmo Portugal 2028.

Mas quero regressar a Portugal de uma forma diferente do que a dos meus pais. Não quero fazer temporadas na Suíça. Tenho outras ideias em mente, mas não envolvem trabalhar para ser renumerado. Vou viver unicamente das minhas poupanças e investimentos.

Esta é uma viagem que vais poder acompanhar e que certamente vai ser útil para ti.

Vou dar-te todas as minhas dicas para poupar, investir e atingires a tua independência financeira.

E quem sabe…também terás Portugal 2028 no teu calendário.

A primeira (pequena) dica

E deixo-te já uma dica em que muitos portugueses erram:

Não invistas em Portugal numa casa para a qual só utilizas 3 semanas por ano e que se encontra fechada o resto de tempo. Não é um bom investimento!

Atenção! Claro que se a mesma for alugada enquanto não estiveres lá, pode ser um bom investimento.

Se for para ficar vazia, é um péssimo investimento. E é nisso que muitos emigrantes erram, investem no sítio errado, no momento errado.

E tu, qual é o teu objetivo? Queres regressar?

Aviso:
Eu não sou um consultor financeiro.
O conteúdo deste site é simplesmente para fins informativos e de entretenimento, e não constitui um conselho financeiro, de contabilidade ou jurídico.
Investir envolve risco de perdas.

Privacy Preference Center